POP
Cinema
RSSMundo POP
26/04/2012 - 15:36h

Novo documentário dos EUA fala sobre a vida de Bob Marley


LOS ANGELES, 26 Abr (Reuters) - O diretor Kevin MacDonald tem desfrutado de uma carreira notável, produzindo tanto documentários (como "One Day in September" e "Touching the Void") como filmes de ficção ("O Último Rei da Escócia").

No seu mais recente filme de não-ficção, o diretor de 44 anos se voltou ao astro do reggae jamaicano Bob Marley em “"Marley", atualmente em exibição em um número limitado de cinemas nos EUA, mas que tem planos de se expandir pelo país nas próximas semanas.

Nascido em 1945 na cidade de Nine Mile, no interior da Jamaica, Marley passou seus anos de formação nos guetos de Kingston, onde se voltou para a música. Suas raízes no ska dos primórdios evoluíram para o reggae quando Marley se tornou um rastafári. Com hits como "No Woman, No Cry", ele acabou se tornando um astro internacional. Marley morreu em 1981 em decorrência de um melanoma.

A música de Marley e sua mensagem de paz aparecem no novo documentário de MacDonald, e a Reuters falou recentemente com o diretor laureado pelo Oscar sobre o homem por trás da imagem, sua violenta luta cotra a morte e seus anos finais.

P: Quais são os maiores erros de julgamento com relação a Bob Marley que você percebeu ao preparar o filme?

R: A concepção errada sobre ele começa com a ideia de que ele era apenas um cara caribenho preguiçoso e maconheiro que não queria fazer muita coisa. Na verdade, como você vê no filme, ele é compulsivo, ambicioso, trabalhador e disciplinado. Acho que isso será uma surpresa para muitas pessoas.

P: A Jamaica conquistou sua independência no mesmo ano em que ele teve seu primeiro sucesso. De que forma você acha que ele foi moldado por sua época?

R: A independência jamaicana, em 1962, coincide com a formação do The Wailers (a banda de Bob Marley) e eles correm em paralelo, o The Wailers e a história da Jamaica, eles são porta-vozes. Obviamente, a música de Bob nos anos 1970 está intrincada com a situação política e com a posição da Jamaica como um tipo de Estado de representação na Guerra Fria.

P: Há um breve trecho sobre a tentativa de se assassinar Marley, que há tempos se pensa que tinha motivação política, dois dias antes do concerto Smile Jamaica em 1976. Quem você acha que esteve por trás da tentativa?

R: Se você ouvir duas pessoas quaisquer na Jamaica, elas lhe darão duas teorias da conspiração diferentes sobre quem atirou em Bob Marley. Havia um arquivo da CIA sobre Marley, mas havia um arquivo da CIA para todo mundo. Tenho certeza de que a CIA esteve envolvida ao trazer armas para o país, por exemplo. Mas não acredito que haja qualquer evidência sugerindo que o Bob em si fosse alvo da CIA.

(Por Jordan Riefe)

Comente

Resenhas

POP